Untitled Document
Untitled Document
 
 
 
 
 
 
 


Confira nossos vídeos


Bailarinas Bellydance® 1


Bailarinas Bellydance® 2


7ª Excursão
Bellydance® 2008

Escolas credenciadas Bellydance® de Omar Naboulsi:


Em São Paulo:

Warda Maravilha


No Sul do Brasil:

Escola Amarein Bellydance


No Rio de Janeiro:

Espaço Mosaico

 

Grupo Bellydance®
Omar e Olga Naboulsi

Impressões de uma viagem ao Oriente


Por Elis Paulucci

A curiosidade de muitos anos estava super aguçada. A conexão na cidade holandesa de Amsterdã, onde pode tudo, só aumentou a vontade de conhecer um lugar onde nem tudo pode.

Chegando ao aeroporto do Cairo, é inevitável mostrar o sorriso e deixar a emoção correr: cheguei ao Egito!

De madrugada, a cidade do Cairo parece calma, mostra seus viadutos, prédios e inúmeras mesquitas iluminadas.

Depois de registrar as primeiras impressões, uma boa surpresa: o hotel fica em uma ilha bem no meio do Rio Nilo e a vista noturna do 15º andar é instigante.

Organizada por Omar Naboulsi, da Bellydance, a viagem começa a rolar. O primeiro passo é a inscrição para o Festival Internacional de Dança do Ventre 2001.

Livre da excursão por alguns momentos, não penso duas vezes em ir ao mercado Khan el Khalili. A sensação é de que o filme começou e estou dentro dele. Perder-se pelas ruelas de Khan el Khalili é delicioso, pois você sempre encontra algo interessante, que não imaginava existir. Além disso, as mulheres podem receber várias propostas de casamento no meio da rua! Se a escolhida já for casada, pode ser trocada por camelos – cada um vale mil dólares.

Negociar também é delicioso e vira um vício que cria dependência a cada nova compra. Uma mistura de idiomas invade o ambiente: árabe, inglês, italiano, francês, espanhol... Português? Difícil, mas quando se fala em Brasil, ouve-se imediatamente: "Romário!"

Uma infinidade de lojinhas, vendedores ambulantes, quinquilharias de todos os tipos, produtos de alta qualidade, comida, temperos, perfumes, roupas, jóias e o que mais a sua mente permitir compõem este mercado a céu aberto.

E que céu! No Egito, chove apenas três dias por ano e todas as manhãs são ensolaradas.

A noite chega trazendo emoções. A abertura do festival revelou uma nova forma de ver e sentir a Dança do Ventre. Forte, sensualíssima, original e primitiva, a bailarina Dina traz a dança no sangue e hipnotiza a platéia durante 90 minutos, me fazendo lembrar a origem sagrada desta dança tão encantadora.

No dia seguinte, eu realmente me sentia em uma das regiões mais antigas do mundo. Finalmente elas, as grandes pirâmides! Uma fusão de euforia e simplicidade invade a alma e emociona. Elas estão logo ali, enormes, misteriosas, milenares e, ao mesmo tempo, tão normais encaixadas no cenário.

A viagem toda já vale a pena só com a visão das três grandes pirâmides de Queops, Quefren e Miquerinos.

O passeio de camelo remete às leituras de "As Mil e Uma Noites" (leia imediatamente!) e faz o tempo voltar à época dos faraós, lâmpadas, oásis e caravanas no deserto. O "subir" e o "descer" do camelo são inesquecíveis.

A possibilidade de entrar na pirâmide de Miquerinos mexe com minha imaginação. Tenho que entrar com a cabeça abaixada e descer muitos degraus para chegar ao centro da pirâmide: uma sala retangular escura, fria e úmida, que parece feita de pedras de granito bruto.

As pessoas falam: "Não tem nada para ver lá dentro, é só uma sala!" E precisa ver alguma coisa? Só a energia que penetra no corpo e na alma vale o esforço de descer ao fundo da pirâmide. Sim, descer – e não subir.

Os faraós não viam sentido em construir belas moradas para viver cerca de 80 anos. Eles construíam verdadeiros templos para abrigar-lhes durante toda a eternidade.

O dia ainda guardava surpresas – e das grandes. Do outro lado das pirâmides, a Esfinge. Realmente enigmática, fica ali, magnânima, onipotente, enorme, olhando o infinito, como se protegesse a história. Sem mais palavras...

Muitas festas, bailarinas, cantores e músicos me fazem sentir os sons de forma diferente, mais harmoniosos e sentimentalistas.

A harmonia também aparece no trânsito aparentemente caótico e tomado por buzinas – por incrível que possa parecer, nenhuma batida de carro. Roubo ou assalto são inadmissíveis para os muçulmanos – e estes crimes praticamente não existem no país.

Depois da diversão é hora de ir para a escola. E quem disse que isso não é diversão? Bailarinas, coreógrafos, grandes mestres e divas da Dança do Ventre deram aulas magníficas, onde o mais importante é o sentimento – e não a técnica.

O Egito é isso, tudo deve ser sentido, experimentado, sonhado. O cenário só ajuda: a beleza do Nilo, bem no meio da 5ª maior cidade do mundo, com 20 milhões de habitantes. O Museu do Cairo, com surpresas a cada passo e os tesouros de Tutankamon. O Museu do Papiro, com retratos de uma vida de glórias. As perfumarias, que exalam cheiros deliciosos por toda a cidade. O chá Karkadeh, que recepciona em todos os lugares. A comida diferente, apimentada e exótica. A torta de figo seco, que está até agora revelando seu sabor. Cabelos cobertos, para não revelar belezas nem despertar paixões. O Nilo mágico à noite, a bordo de um barco com jantar dançante. As mesquitas, com a religiosidade e a fé verdadeiras, que param tudo no momento da oração. A Sexta-feira como dia santo, quando quase tudo fecha. Muçulmanos, católicos e judeus convivendo pacificamente, numa região caracterizada por conflitos religiosos. O mar de azul intenso de Alexandria, que revela a beleza do Mediterrâneo e inspira o amor. As múmias e catacumbas, que despertam o medo e a curiosidade...

O fim se aproxima – e uma angústia também. Antes disso, uma despedida em grande estilo: show de som e luz nas pirâmides à noite. O que eu poderia pensar ser absolutamente impressionante sob a luz do Deus Sol fica ainda mais misterioso sob o jogo de luzes criado para turistas. Ainda bem, o espírito capitalista tem suas vantagens.

A viagem que era sempre agitada e inspirou fortes amizades – com 51 mulheres e 4 homens querendo fazer tudo em tão pouco tempo – mudou completamente. Apenas 9 pessoas permanecem juntas, e fazem uma nova história rumo ao Líbano.

As diferenças são chocantes. O Líbano é um país "normal", ou melhor, tem o estilo ocidental. Tudo parece mais familiar – lojas, carros, bares, roupas... Eu já estava até desacostumada a vestir roupas normais depois de andar meio coberta no Egito.

Reconstruído após a guerra, o Líbano é um país rico, que se mostra abertamente aos turistas. A cidade de Jounieh, balneário chique localizado ao lado da capital Beirute, é nosso porto seguro.

A diversão se revela com muita música, arguiles, pistaches, damascos e cerejas até altas horas. O sanduíche de kafta delicia o paladar. O museu do pintor e poeta Gibran lembra a Europa, organizado, mas com um toque pessoal.

As belezas naturais não deixam por menos. O teleférico revela as nuances da baía de Jounieh. O Cedro, árvore bíblica símbolo do país, é diferente e bonito, mas nada comparado à gruta Jeita.

Se você não tinha motivos para ir ao Líbano, agora já tem. Aberta ao turismo há 30 anos, a gruta Jeita tem salões imensos que chegam a 400m de altura, 400m de largura e 800m de comprimento. Dizem que deve ter cerca de 7 km de extensão, mas ninguém sabe...

As mãos da natureza criaram ainda um lago de águas geladas e cristalinas dentro da gruta, o que cria um ambiente mágico que encanta o coração. Foi o segundo êxtase da viagem, depois das pirâmides.

Uma pausa na repentina liberdade e um passeio a Damasco, capital da Síria. Muito mais conservadora que o Egito, a Síria mexe com os princípios. Mulheres completamente cobertas, da cabeça aos pés, passando pelas mãos. Não dá para ter a menor idéia do corpo que há embaixo de tantos panos escuros, convivendo desde jovem com um calor de mais de 30º graus.

A fama de lugar ideal para os mercadores é comprovada no grande mercado que oferece produtos de todos os tipos. Tecidos, bijuterias, relíquias, especiarias e um delicioso sorvete de creme com pistache. Que vontade...

De volta ao Líbano, um mergulho no passado. As ruínas de Baalbeck lembram as aulas de história e comprovam a liderança romana na época antiga.

O Oriente é realmente lindo, fascina, impressiona, choca, desafia, acalma, questiona, explica, felicita, acolhe, sorri, encanta e se mostra contrastante como um mosaico, mas nem tudo é perfeito.
Adorei a viagem, mas não há nada como voltar para um lugar onde as mulheres mostram a cara e lutam para viver o dia a dia dignamente e da forma como escolherem. Assim é o Brasil, um lugar onde a liberdade é o maior tesouro.

Elis Paulucci

 

Untitled Document

Escreva seu nome em árabe da forma correta!

Tenha seu nome em árabe para usar em tatuagem, pingente, camiseta ou onde mais sua imaginação mandar. Apenas R$ 15,00.

Entre em contato para encomendar o seu!

 

Escolas credenciadas Bellydance® de Omar Naboulsi:

No Rio de Janeiro:

Mahira e Hannan


No México:

La Academia de Danza Árabe Nájua

 

 

Untitled Document